Lomadee

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Faculdades INTA muda rotina e estrutura do Bairro Dom Expedito

Há quase 17 anos o Bairro Dom Expedito, em Sobral, tem passado por significativas transformações, principalmente após a implantação do Instituto Superior de Teologia Aplicada (INTA), em agosto de 1999. São notáveis as mudanças ocorridas na comunidade, que hoje tem uma população de mais de dois mil e oitocentos habitantes, de acordo com dados do último senso.
O Instituto, que recebe estudantes da cidade e de mais de 55 municípios da Zona Noroeste do Ceará, não tem cumprido apenas sua a missão de promover Educação Superior de qualidade, mas também é responsável por empregar muitos moradores da região, contribuindo de forma direta com o desenvolvimento do próprio bairro antes marginalizado e que, atualmente, possui um dos metros quadrado mais caros de Sobral.

MERCADO IMOBILIÁRIO

Chico Boto, morador do bairro, é corretor de imóveis. Ele afirma que houve um aumento significativo na procura por residências no bairro, não só por estudantes (os maiores locatários), como por outras parcelas da população. De acordo com o agente imobiliário, a média dos alugueis no Dom Expedito gira em torno de R$ 400,00 a R$ 650,00 para apartamentos, e R$ 500,00 a R$ 1.200,00 as casas. Ele ressalta que a valorização se deu inicialmente com a chegada da Faculdade e se expandiu após a inauguração do North Shopping Sobral.

O reconhecimento do bairro motivou os moradores a "melhorar sua própria casa porque a especulação imobiliária foi lá para cima. Hoje quem mora no bairro se sente mais valorizado, todos querem comprar ou morar perto do shopping, perto de duas faculdades, perto do centro. Essa grande valorização teve início com a chegada das Faculdades INTA", afirma Chico.

Ulisses Azevedo, estudante do 3º semestre de Medicina Veterinária, há quase um ano e meio mora no bairro e diz que a escolha se deu pela proximidade da Faculdade. O estudante, que é natural de Nova Russas, diz que a reconfiguração do espaço propicia o desenvolvimento do comércio local, mas lamenta a falta de supermercados de grande porte ou ainda espaços destinados ao lazer.

COMÉRCIO

A contribuição para o desenvolvimento do comércio na área é o fator mais significativo, em especial na área da alimentação. Hoje existem em média 15 comerciantes dentro e fora da Faculdade. Desde o vendedor de picolé ao dono de lanchonete de médio porte. Muitos desses comerciantes ainda geram outros empregos.

dep-01-29062016
O desenvolvimento do bairro atrai muitos comerciantes que procuram oportunidades no local. Um deles é Quintino Júnior, morador do Junco, que viu no INTA a oportunidade de realizar o sonho do próprio negócio. Há quase um ano e meio a barraca de lanches “Show de Pizza” trouxe movimentação para a calçada antes vazia na frente do prédio principal. Júnior, que trabalhava vendendo assinaturas de revistas, agora trabalha de segunda a quinta durante a noite e tem como público exclusivo os universitários.


Ainda sobre o espaço cedido para trabalhar, Júnior afirma que a oportunidade gerou emprego também para outras pessoas. O comerciante conta, atualmente, com oito funcionários. “Eu também gero trabalho para pessoas, porque aqui eu tenho duas pessoas que só montam e desmontam a minha estrutura, três pessoas em casa, porque eu sozinho não dou conta de fazer pizza, e tem as moças que trabalham comigo aqui e que são moradoras aqui do bairro”, conta feliz da vida.

dep-02-29062016.jpg
Messias Neto, outro empresário, agora no ramo das cópias, diz que o motivo da escolha do bairro para a implantação do negócio foi o desenvolvimento das Faculdades INTA e o grande número de universitários. Há 18 anos trabalhando com cópias, Messias já se instalou nos arredores de outras instituições, mas o negócio vivia sofrendo altos e baixos por conta de greves, entre outros problemas. “Eu encontrei esse ponto aqui [no bairro Dom Expedito] e abri a xerox. Já faz 18 anos que trabalho só com cópias. Aqui pago em média R$ 300 de aluguel e não acho caro. Nos outros pontos a média de preço era de R$ 700,00, bem mais caro”.


Júnior Barbosa, morador do bairro há 12 anos, foi o primeiro a abrir uma lanchonete nas proximidades do INTA. Sobre a concorrência afirma que já era esperado devido ao rápido aumento da demanda e que houve mudanças significativas na região, como a melhoria no transporte público e na segurança. "Antigamente tinha muito assalto nessa área". Para ele o serviço de segurança do INTA pode ter contribuído para a inibição de crimes. Ele afirma ainda que o policiamento na área tem sido mais efetivo.

MORADORES

dep-04-29062016.jpg
 A colaboradora Liduína Carlos é moradora do bairro Dom Expedito e já trabalha há quase sete anos nas Faculdades INTA. Ela enfatiza o fato da Instituição gerar muitos empregos para moradores do local. “Gosto de trabalhar aqui porque é perto e gosto daquilo que faço. No bairro mudou muita coisa, teve mais empregos, oportunidade para as pessoas que tem casa e querem alugar (...)”. Ela destaca ainda a considerável diminuição da violência nas proximidades.


dep-03-29062016.jpg
 Maria de Jesus, conhecida popularmente como Loura, reside no bairro há quatro anos e há três trabalha na lanchonete Café.com. Ela reforça que o crescimento do INTA contribui para a expansão do comércio, em especial das lanchonetes e o ramo imobiliário, pela procura constante por apartamentos próximos à Faculdade. A construção de novos prédios vem crescendo na região.


 SEGURANÇA
dep-05-29062016.jpg
Quanto à segurança, Coronel Tadeu Araújo, da Pró-Diretoria de Segurança Institucional (PROSEGI), afirma que o trabalho da segurança que, primariamente, responde pela segurança interna, acaba estendendo o trabalho ao perímetro externo, pela precariedade da segurança pública.
O Coronel afirma que, com um total de 60 agentes de segurança, “a instituição tem investido de forma considerável nos aspectos da segurança física e também no sistema de vídeo monitoramento no âmbito interno e externo das Faculdades INTA. Para você ter uma ideia, de três anos para cá, Dr. Oscar (Rodrigues Junior, Diretor-Presidente do INTA) duplicou o efetivo de agentes de segurança”, conta.

Ao desenvolver o trabalho de proteção dos universitários, a tarefa dos agentes também beneficia a população que reside nas adjacências das Faculdades INTA.

Com Informações de Morgana Medeiros e Paulo Victor – Acadêmicos de Jornalismo
Postar um comentário