Lomadee

terça-feira, 5 de julho de 2016

Energia | Coelce devolve R$ 3 milhões em compensação por falhas

A Companhia Energética do Ceará (Coelce) já teve que fazer 839.316 pagamentos em compensação aos consumidores por falhas na distribuição de energia no primeiro semestre deste ano, o que corresponde a R$ 3.067.870,43 de abatimento nas contas de luz dos cearenses. O valor é o terceiro maior do Nordeste, atrás da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba) e da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), cujos montantes de compensação somaram R$ 16.026.659,55 e R$ 5.293.633,15, respectivamente.
De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o valor da compensação pela transgressão dos limites de continuidade da Coelce corresponde a 38,68% do total observado durante o ano passado (R$ 7.929.811,98), o maior desde que os dados começaram a ser disponibilizados pela Aneel, em 2010. Em relação aos pagamentos, foram efetuados 30,43% do total calculado em 2015 (2.757.692).
Modalidades
Dos R$ 3.067.870,43 compensados de janeiro a junho, R$ 2.634.116,68 (795.300 pagamentos) são referentes à duração de interrupção individual por unidade consumidora (DIC), frequência de interrupção individual por unidade consumidora (FIC) e duração máxima de interrupção contínua por unidade consumidora (DMIC). Os outros R$ 433.753,75 (44.016 pagamentos) são relativos à duração da interrupção ocorrida em dia crítico por unidade consumidora ou ponto de conexão (DICRI).
Sobre a compensação
Segundo a Aneel, os valores são informados pelas distribuidoras em até três meses após a apuração do indicador, sendo passíveis de fiscalização. Para o DIC, FIC e DMIC, as informações de compensação estão disponíveis a partir de 2010. Para o DICRI, os dados podem ser obtidos a partir de 2012.
A Aneel ressalta que a quantidade de pagamentos efetuados não é, necessariamente, igual ao número de consumidores compensados, pois um mesmo consumidor pode ser compensado mais de uma vez no ano. Os indicadores são passíveis de alterações após fiscalização da Aneel.
Com Informações do DN
Postar um comentário