Lomadee

terça-feira, 26 de julho de 2016

Greve dos professores completa três meses e permanece impasse nas negociações

Com proposta mais recente do Governo do Estado sendo negada pela categoria, os professores completam três meses de greve e impasse deve seguir em agosto. A categoria, apesar das pautas em comum - como a valorização salarial que contemple também professores aposentados -, tem rachas. Enquanto o Sindicato dos Professores e Servidores de Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc) acredita que houve avanços nas negociações, grupo de oposição ao sindicato aponta que governo atendeu às demandas, apenas pressionado pelas ocupações estudantis.
“Se voltássemos hoje, a única coisa que nos faria voltar de cabeça erguida seria o que o movimento estudantil conquistou. Os estudantes nos deram lição de como fazer pressão”, opina a professora da rede estadual, representante da rede de zonais, Cícera Barbosa. Entre as pautas estudantis, atendidas pelo governo, ela cita o investimento de R$ 140 milhões para reformas e melhorias na merenda.
Ela opina que a proposta do Secretaria Estadual da Educação (Seduc), de aumento na Parcela Remuneratória Variável (PVR) em 100%, representando um ganho remuneratório de 5 a 9,9% para os professores e investimento anual de R$ 75 milhões, não corresponde a aumento no salário-base e exclui professores aposentados. 
Os representantes concordam no ponto que concerne ao retorno das aulas. “Queremos o retorno das aulas e nos preocupamos com a reposição, mas é preciso que se entenda que a valorização da educação passa pela valorização da categoria”, explica Anízio. “Nós queremos que os alunos voltem às aulas, que a preparação para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) seja feita, que eles adentrem às universidade e sentem nos mesmos bancos que nós sentamos. Mas a sociedade tem de compreender que nossa luta é, sobretudo, por melhorias para a educação”, reforça Cícera.
Seduc
Por meio de nota, Seduc informou que "tem mantido disponibilidade ao diálogo com professores" e que nas nove reuniões de negociação com representantes dos professores "cada ponto de pauta colocado pela categoria recebeu uma proposta concreta e seu devido encaminhamento".
A secretaria aponta que 25% das escolas aderiram à greve - informação contestada pela rede de zonais que acredita em número maior, sem precisar quanto.
Em relação ao uso dos investimentos de R$ 140 milhões, anunciado em maio pelo governador Camilo Santana, a Seduc reiterou que foram destinados R$ 32 milhões às reformas - sendo R$ 16 milhões para 2016 e o restante para o próximo ano.
Interpelada sobre início de obras em escolas contempladas e prazos, a pasta afirmou que "mais de R$ 7 milhões já foram autorizados e as próprias escolas realizam seus processos licitatórios".
Com déficit de aulas a serem repostas, após o fim da greve, a Seduc disse cumprir recomendações do Ministério Público do Estado e "encaminhou a elaboração dos calendários de reposição, garantindo o cumprimento dos 200 dias letivos, para as escolas que aderiram à greve".
Com Informações do O Povo
Postar um comentário